O Conselho Federal de Odontologia (CFO) retomou o Fórum Nacional de Fiscalização do Exercício Profissional, após 17 anos desde a última edição.

Cerca de 90 representantes do Sistema Conselhos estiveram presentes, levando contribuições, entre eles a Diretoria do CFO, Conselheiros Federais, Presidentes de CROs, Coordenadores de Comissões de Ética e Fiscalização e fiscais.

. “Juntos, escrevemos a partir de agora uma nova história de protagonismo na atuação fiscalizatória e de proteção da sociedade. A troca de experiências, por macrorregião, fundamentou a construção coletiva para nivelar procedimentos fiscalizatórios e, sobretudo, elaborar ato normativo para fortalecer a missão precípua dos Conselhos de Odontologia”, enfatizou Emersson Luiz Jorge, vice-presidente do CFO, na abertura do encontro, realizados nos dias 26 e 27 de novembro, em Brasília.

De forma participativa, o panorama nacional de fiscalização foi contextualizado, permitindo identificar disparidades de dados, índice de irregularidades, mapa de riscos, diligências existentes, fragilidades no processo, particularidades de cada região, entre outras informações.

Muito além de elaborar um modelo padrão de fiscalização, previstos em normativa, a proposta de trabalho também prevê criar um setor de fiscalização nos regionais, com estrutura necessária, diagnosticada por meio do debate conjunto dos CROs.

A parametrização de todo o processo de trabalho tem como objetivo central proteger a sociedade dos maus profissionais.