O presidente do CRO-RJ recebeu, no auditório da autarquia, cerca de 100 profissionais que prestam serviços às Organizações Sociais (OS) contratadas pela Prefeitura do Rio para atendimento nas clínicas da família, hospitais e demais unidades de saúde do município.

Na reunião realizada na última sexta- feira, 10/01, o presidente Altair Andrade, respondeu às questões dos profissionais, explicou quais as possibilidades de ajuda jurídica que o Conselho pode oferecer e sugeriu “que as questões das relações trabalhistas, têm que ser resolvidas através do Sindicato da categoria, pois o Conselho é um autarquia federal, só podendo atuar através do Ministério Público do Trabalho”.

Esta iniciativa citada pelo Presidente do CRO-RJ, já havia sido adotada desde setembro/19, quando os salários e demais direitos dos CDs, ASBs e TSBs começaram a atrasar ou mesmo não serem pagos.

Na ocasião, inúmeras denúncias levadas ao conhecimento da Diretoria, motivou que o CRO acionasse o Ministério Público, que determinou então uma Audiência para 24 de março próximo, quando serão ouvidos cinco, dentre os inúmeros profissionais da Odontologia que denunciaram as irregularidades ao Conselho.

Altair Andrade destacou ainda, que “a classe precisa estar unida para se fortalecer. Somente com a união dos profissionais, a categoria ganhará força para levar ao Poder Público as suas justas reivindicações”.

Além de ações judiciais, ele defendeu que “é necessário buscar apoio político”. E alertou que as categorias mais fortalecidas em suas lutas são “aquelas que elegem seus representantes aos parlamentos ou que contam com o apoio de membros do legislativo, que por terem sido eleitos, têm mais possibilidade de acesso ao poder Executivo.”  Ele também colocou o CRO-RJ à disposição da classe para as reuniões e o apoio que for possível oferecer.

Histórico da crise

Desde novembro, um grupo de profissionais de Odontologia vem se reunindo no auditório do Conselho, para definir ações que vão adotar para garantir seus direitos.

Membros desse grupo se uniram a outras categorias profissionais, formaram um Coletivo de Greve, que conseguiu paralisar os serviços de saúde em dezembro último, até que, através de ação judicial, conquistaram o pagamento de seus salários.

Deste grupo que se reúne no CRO, surgiu o Comitê de Saúde Bucal, que participa do Coletivo de Greve da Saúde e vem tentando organizar a categoria em torno das reivindicações comuns à Odontologia.

Esse mesmo grupo conseguiu que os profissionais de Odontologia fossem aceitos no Dissídio então instaurado na Justiça por outras categorias da saúde, conquistando, assim, a legitimidade para entrar em greve.

Com a realização da reunião do dia 10 de janeiro, o Comitê de Saúde Bucal aguarda maior adesão dos profissionais da Odontologia, como sugeriu o Presidente do CRO-RJ, e assim fortalecidos poderem levar adiante as reivindicações da classe.